Subscribe:

JUNIOR: voando com o pensamento

Junior era um menino muito esperto, estava na época com 12 anos, uma idade muito difícil, mas ao mesmo tempo bonita. Difícil porque estava na adolescência, e nessa fase nada nem ninguém esta certo, é a fase da rebeldia, mas também a fase da busca de auto-afirmação de suas respostas. Para ele seus pais eram chatos, o mundo não devia ser assim, enfim só faltava querer reinventar à ele próprio. E uma idade bonita porque ele sonhava, sonhava com um mundo melhor, com fartura, e é claro, com uma namorada, afinal quase todos os seus amigos tinham, menos ele.

Junior morava na periferia de uma cidade grande, e precisava fazer uma rotina de uma hora e meia para ir à escola todos os dias, mas não desanimava. Afinal era lá que se sentia feliz e livre. Em folhas de papel escrevia, escrevia, e voava longe, voava até Paris, Londres, Madrid, Nova Iorque. Caminhava nos gramados da Casa Branca, escalava a Torre Eifel, Subia as montanhas do Pico Everest, tudo em uma folha de papel.

Assim foram passando-se anos, e nessa liberdade de voar, um dia Junior descobriu que seus dias não iriam muito longe. Estava com uma doença que não havia cura. Sabia que em pouco tempo iria perder os movimentos e seu tão adorado prazer de voar longe iria também acabar. Aos poucos percebeu que um de seus dedos já não mexia.

Desesperou-se, e isso foi se espalhando aos demais dedos até que por fim nenhum se mexia mais. Junior só pensava em morrer, não conseguia traduzir seus sonhos em palavras escritas, não conseguia deixar seu corpo voar para terras distantes de sua imaginação. Estava morto - vivo e em poucos meses estaria sem movimento nas pernas.

Junior, um jovem paralisado. Junior de cadeira de rodas. Junior o penalizado pela doença. Junior, o coitado. Era assim seus apelidos, e cada vez mais ele descia ao fundo do poço. Ele se tornava sinônimo de pena, e parecia que assim queria que fosse, em nada se esforçava para sair dessa condição, se é que poderia sair dela.

Até que um dia o sol nasceu mais brilhante, as flores mais perfumadas, o ar mais puro e Junior mais animado. Os pais perguntavam-se o que ocorrera para tal mudança e não chegavam a uma conclusão. Ele fora posto para dormir como todos os dias anteriores e recebeu os mesmos tratamentos, tudo igual. Aliás, desde pequeno recebia essas regalias.

Junior estava feliz, embora paralisado descobrira que não tinha perdido a vida, que podia amar sem movimentos, que podia pelo menos ver ainda a beleza do sol, sentir o perfume das flores e respirar o ar puro. Ele era um sortudo. Junior parecia acordar de um pesadelo, e buscava nesses seus possíveis últimos deis de vida construir aquilo que lhe faltara amar, sua vida.

Junior decidira que seus últimos momentos de vida seriam para todos inesquecíveis, sabia que iria morrer, mas todo mundo morre, sabia que estava sem condições de movimentar-se, mas muitas pessoas assim também se encontram e nem por isso deixam de querer viver. Junior fizera uma escolha, mesmo não podendo falar, seus olhos diziam q felicidade que teve ao ter vida e conhecer o que é a vida. E essa escolha lhe trouxe momentos de felicidade, momentos que jamais ousara ter em condições normais.

Alguns dias depois Junior acabou falecendo, porém deixou um exemplo que jamais deve ser esquecido, o de que somos responsáveis por nós mesmos, parte de nós fazer nossas escolhas, se queremos ser felizes precisamos dar passos para isso. Deficiências todos possuem e é a partir delas que conseguimos melhorar o que somos, se fossemos perfeitos, estaríamos prontos, e não aprenderíamos mais nada.

Não aprenderíamos que a vida tem sentido se nós queremos. Não aprenderíamos que se sonharmos com algo podemos construir ele. Não aprenderíamos que como Junior as vezes precisamos de um empurrãozinho para poder sair do lugar.

Espero que Junior seja um exemplo também a você que reclama da vida, a você que acha que nada está bom, a você que não vê a beleza das flores, que não sabe viajar no mundo com a imaginação. Que ele ajude a você que acima de tudo se esconde nos problemas para não enfrentá-los e mostrar que é capaz de construir uma vida mais diga para você.

0 comentários: